Ampliando Espaços da Medicalização

José Augusto Cabral de Barros

Palavras-chave


Medicalização, saúde, uso racional de medicamentos

Texto completo:

PDF

Referências


Barros JAC Pensando o processo saúde e doença: A quem serve o modelo biomédico? Rev.Saúde e Sociedade, 2002;11(1):67-84.

Taylor R. Medicine out of control – The anatomy of a malignant technology. Melbourne: Sun books, 1979.

Chaui M. Convite à filosofia. 14ª edição. São Paulo: Editora Ática, 2010.

Entralgo LP. Historia de la Medicina. Barcelona: Massom, 1978.

Barros JAC. Nuevas tendencias de la medicalización. Ciência & Saúde Coletiva, número temático Medicamentos no Brasil, v.13, Suplemento, 2008a.

Andrews S. A nova ciência de Hedônica. http://felicidadeinternabruta.blogspot.com.br/2008/11/dra-susan--andrews-nova-ciencia-de.html, acessado em 30.01.2013.

Moynihan R, Wasmes A. Vendedores de doença: estratégias da indústria farmacêutica para multiplicar lucros. In PELIZZOLI, M. (Org.). Bioética como novo paradigma: por um novo modelo bioético e biotecnológico. Petrópolis: Vozes, 2007, p. 151-156.

Moynihan R, Cassels A. Selling sickness: how drug companies are turning us all into patients. Crows Nest: Allen & Unwin, 2005.

Calligaris C. Loucos e adolescentes suicidas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 jan.2013. Caderno Ilustrada.

Elliot C. White coat Black hat – Adventures on the dark side of medicine. Boston: Beacon Press, 2010.

Angell M. A verdade sobre os laboratórios farmacêuticos. Como somos enganados e o que podemos fazer a respeito. Rio de Janeiro: Record; 2007.

Collier J, Ihienacho I. The pharmaceutical industry as an informant. The Lancet 2002; 360(9143): 1405-1409.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.