ATENÇÃO FARMACÊUTICA A IDOSOS PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NO ÂMBITO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Edimar Ferreira Júnior, Almária Mariz Batista

Resumo


Atenção Farmacêutica constitui a prática farmacêutica desenvolvida no contexto da Assistência Farmacêutica, compreendendo atitudes, valores éticos, comportamentos, habilidades, compromissos e co-responsabilidades na prevenção de doenças, promoção e recuperação da saúde, de forma integrada à equipe de saúde. Tem foco no usuário do medicamento, na educação em saúde, na orientação farmacêutica, no registro sistemático de atividades, mensuração e avaliação de resultados, na busca da resposta satisfatória à terapêutica farmacológica. O presente estudo teve como objetivo revisar a literatura pertinente à Atenção Farmacêutica no contexto de idosos portadores de doenças crônicas atendidos pela atenção primária à saúde. Trata-se de revisão bibliográfica realizada nas bases de dados NCBI (via Pubmed), Web of Science, Scopus e LILACS. Sem a atuação do farmacêutico, o medicamento e o cuidado relacionado ao seu uso apresentam-se desordenados e desqualificados no âmbito do SUS. Há problemas significativos em todos os pontos envolvendo a farmacoterapia, como adesão, polifarmacoterapia, automedicação, problemas relacionados
a medicamentos e interações medicamentosas. A Atenção Farmacêutica no contexto de problemas de saúde em idosos é essencial para o fortalecimento da adesão ao tratamento, redução dos gastos, promoção do uso racional dos medicamentos, redução dos problemas relacionados aos medicamentos, informações sobre a doença e seus agravos.


Palavras-chave


atenção farmacêutica; atenção primária à saúde; idoso; doenças crônicas.

Texto completo:

PDF

Referências


IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

[citado em 19 de fevereiro de 2017]. Disponível

em: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao.

Souza RR. O sistema público de saúde brasileiro.

Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

Porth CM. Matfin, G. Conceitos de saúde alterada em

adultos idosos. In: Fisiopatologia. Rio de Janeiro: Editora

Guanabara Koogan. 2010. p.38-58.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de

de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de

Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes

e normas para a organização da Atenção Básica, para

a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de

Agentes Comunitário de Saúde (PACS). Diário Oficial

da União, nº 63, 24 de outubro de 2011. Seção 1. p. 48.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 338, de 6

maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência

Farmacêutica. Diário Oficial da União, nº 8, 07 de maio

Seção 1. p. 64.

Bortolon PC, Karnikowski MGO, Assis M.

Automedicação versus indicação farmacêutica: o

profissional de farmácia na atenção primária à saúde do

idoso. Revista APS. 2007;10(2):200-209.

Fernandes WS, Cembranelli JC. Automedicação e o

uso irracional de medicamentos: o papel do profissional

farmacêutico no combate a essas práticas. Rev. Univap.

;21(37):05-12. DOI: 10.18066/revistaunivap.

v21i37.265.

Sá M, Barros JAC, Sá MPB. Automedicação em

idosos na cidade de Salgueiro–PE. Rev. Bras.

Epidemiol. 2007;10(1):75-85. DOI: 10.1590/S1415-

X2007000100009.

Santos TRA, Lima DM, Nakatani AYK, Pereira LV, Leal

GS, Amaral RG. Consumo de medicamentos por idosos.

Rev. Saúde Pública. 2013;47(1):94-103. DOI: 10.1590/

S0034-89102013000100013.

Lima-Costa MF, Firmo JOA, Uchoa EA. A estrutura da

auto-avaliação da saúde entre idosos: projeto Bambuí.

Rev Saúde Pública. 2004;38(6):827-34. DOI: 10.1590/

S0034-89102004000600011.

Silveira EA, Dalastra L, Pagotto V. Polifarmácia, doenças

crônicas e marcadores nutricionais em idosos. Rev. Bras.

Epidemiol. 2014;17(4):818-829. DOI: 10.1590/1809-

Alano GM, Corrêa TS, Galato D. Indicadores do serviço

de atenção farmacêutica (SAF) da Universidade do Sul

de Santa Catarina. Cien & Saúde Colet. 2012;17(3):757-

DOI: 10.1590/S1413-81232012000300023.

Provin MP, Campos AP, Neilson SEO, Amaral RG.

Atenção farmacêutica em Goiânia: inserção do

farmacêutico na estratégia saúde da família. Saúde

Soc. 2010;19(3):717-723. DOI: 10.1590/S0104-

Foppa AA, Bevilacqua G, Pinto HL, Blatt CR. Atenção

farmacêutica no contexto da estratégia de saúde da

família. Rev. Bras. Cien. Farm. 2008;44(4): 728-737.

DOI: 10.1590/S1516-93322008000400020.

Amaral DMD, Perassolo MS. Possíveis interações

medicamentosas entre os anti-hipertensivos e

antidiabéticos em participantes do Grupo HIPERDIA de

Perobé, RS (Uma análise teórica). Rev. Farm. Básica e

Apl. 2013;33(1):99-105.

Correr CJ, Pontarolo R, Ferreira LC, Baptistão SAM.

Risco de problemas relacionados com medicamentos

em pacientes de uma instituição geriátrica. Rev. Bras.

Ciênc. Farm. 2007;43(1):56-62. DOI: 10.1590/S1516-

Obreli-Neto PR, Prado MF, Vieira JC, Pelloso SM,

Marcon SS, Cuman RKN. Fatores interferentes na taxa

de adesão à farmacoterapia em idosos atendidos na rede

pública de saúde do Município de Salto Grande–SP,

Brasil. Rev. Ciênc. Farm. Básica e Apl. 2010;31(3):229-

Landim MP, Oliveira CJ, Abreu RNDC, Moreira TMM,

Vasconcelos SMM. Adesão ao tratamento farmacológico

anti-hipertensivo por pacientes de unidade da estratégia

saúde da família. Rev. APS. 2011;14(2):132-138.

Sardinha AHL, Silva CG, Sena LB, Mesquita LLS,

Rodrigues JB, Silva KNR. Adesão dos idosos com

doenças crônicas ao tratamento medicamentoso. Rev.

Pesq. Saúde. 2015;16(3):154-158.




DOI: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v30.e2.a2018.pp95-101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Edimar Ferreira Júnior, Almária Mariz Batista

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Conselho Federal de Farmácia - CFF

SHIS QI 15 Lote "L" - Lago Sul - Brasília - DF

CEP: 71635-615 - Fone: (61)3878-8751

e-mail:infarma@cff.org.br

Infarma-Ciências Farmacêuticas

ISSN - 0104-0219 (Versão impressa)

ISSN - 2318-9312 (Versão eletrônica)

Indexadores: