AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE CARNE MOÍDA COMERCIALIZADA EM AÇOUGUES DA CIDADE DE SARANDI, PR, BRASIL

Caroline Rodrigues de Almeida, Miyoko Massago, Sara Macente Boni

Resumo


O consumo de carne bovina pela população brasileira tem aumentado nos últimos anos. No entanto, o processamento deste produto pode favorecer a sua contaminação por microrganismos e desencadear surtos de infecção alimentar. Baseado nestas informações, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a qualidade higiênico-sanitária da carne moída comercializada em 20 açougues da cidade de Sarandi, PR. Foram coletadas amostras de 50 gramas do produto em cada estabelecimento. Em seguida foi verificada a presença de coliformes totais e termotolerantes pela Técnica do Número Mais Provável e de Salmonella spp. por crescimento em meio específico. Foi observada a presença de coliformes termotolerantes em todas as amostras analisadas; porém, em nenhuma delas houve o crescimento de Salmonella spp. A presença de Escherichia coli no alimento indica falha nos procedimentos higiênico-sanitários, ressaltando a importância de implementar medidas que promovam melhoria nas boas práticas de higiene, a fim de reduzir os índices de contaminação destes produtos e aumentar a qualidade de vida do consumidor.


Palavras-chave


Análise microbiológica; Bactérias; Carne moída

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

(1) Fiddes N. Meat: a natural symbol. 1st. London: Routledge. 1991.

(2) Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 83, de 21 de novembro de 2003. Aprova os Regulamentos Técnicos de identidade e qualidade de carne bovina em conserva (Corned Beff) e carne moída. Diário Oficial da União, 02 de novembro de 2003. Seção 1, p. 29.

(3) Marchi PGF, Rossi Jr, OD, Cereser ND, Souza V, Rezende-Lago NCM, Faria AA. Avaliação microbiológica e físico-química da carne moída comercializada em supermercados e açougues de Jaboticabal-SP. Univar. 2012; 7: 81-87.

(4) Oliveira MMM, Brugnera DF, Mendonça AT, Piccoli RH. Condições higiênico-sanitárias de máquinas de moer carne, mãos de manipuladores e qualidade microbiológica da carne moída. Ciênc. Agrotec. 2008; 32: 1893-1898. DOI: 10.1590/S1413-7054200800060031.

(5) Alves VC, Cardoso Filho FC, Rios FPB, Lima CE, Keller KM, Muratori MCS. Coliformes e Salmonella spp. em carne moída comercializada em Teresina PI. Rev. Bras. Med. Vet. 2011; 33: 32-36.

(6) Germano PML, Germano MIS. Higiene e Vigilância Sanitária de Alimentos. 3rd ed. Barueri: Manole, 2008

(7) Nascimento MVD, Guedes ATL, Silva HA, Santos VEP, Paz MCF. Avaliação da qualidade microbiológica da carne moída fresca comercializada no mercado central em campina grande-PB. Rev. Saúde Ciênc. 2014; 3(1): 56-68.

(8) Salvatori RU, Bessa MC, Cardoso MRI. Qualidade sanitária de embutidos coletados no mercado público central de Porto Alegre-RS. Ciênc. Rural. 2003; 33(4): 771-773. DOI: 10.1590/S0103-84782003000400031.

(9) Leite AMO, Franco RM. Coliformes totais e Escherichia coli em coxas de frango comercializadas no Rio de Janeiro. Rev. Bras. Ciênc. Vet. 2006; 13(2):80-83.

(10) Franco BDGM, Langraf M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 1996.

(11) Souza CP. Segurança alimentar e doenças veiculadas por alimentos: utilização do grupo coliforme como um dos indicadores de qualidade de alimentos. Rev. APS. 2006; 9: 83-88.

(12) Carvalho ACF, Cortez ALL. Salmonella spp. em carcaças, carne mecanicamente separada, linguiças e cortes comerciais de frango. Cienc. Rural. 2005; 35: 1465-1468. DOI: 10.1590/S0103-84782005000600040.

(13) Brasil. Ministério da Saúde. Higiene no preparo de alimentos evita contaminação por Salmonella spp. 2015. [Acesso em 09 mar 2018]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2015/01/higiene-no-preparo-de-alimentos-evita-contaminacao-por-salmonella/preparo-alimentos-cuidados/view.

(14) Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 12, de 02 de Janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre os padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial da União, nº 12 de 10 de janeiro de 2001. Seção 01. p. 45-53.

(15) Brasil. Ministério da Saúde. 2016. Surto de doenças transmitidas por alimentos. [Acesso em 09 mar 2018]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/junho/08/Apresenta----o-Surtos-DTA-2016.pdf.

(16) Center for Disease Control and Prevention (CDC), 2018. Reportus of Salmonella outbreak investigation from 2018. [Acesso em 09 mar 2018]. Disponível em: https://www.cdc.gov/salmonella/outbreaks-2018.html.

(17) Rosina A, Monego F. Avaliação microbiológica da carne bovina moída nas redes de supermercados de Canoinhas/SC. RESMA. 2013; 2: 55-64. DOI: DOI: 10.24302/sma.v2i2.468.

(18) Ferreira IM. Riscos relacionados à contaminação microbiana de carne moída bovina. [Dissertação]. Urberlândia. Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Uberlândia. 2008.

(19) Costa CAR. Avaliação da exposição do consumidor à Listeria monocytogenes, Salmonella spp., Campylobacter spp. e Escherichia coli produtora de toxina de Shiga em produtos cárneos refrigerados comercializados no município de São Paulo. [Tese]. São Paulo. Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo. 2010.

(20) Lima ROR. Qualidade microbiológica de carne moída in natura comercializada em Boa Vista-Roraima. [Monografia]. Boa Vista. Curso de Ciências Biológicas, Faculdade Cathedral. 2009.

(21) Yamoto DC, Marlet EF, Silva FR. Caracterização das condições higiênico-sanitárias dos restaurantes fast food de dois shopping centers em diferentes regiões do município de São Paulo. Hig. Alim. 2004, 18:14-20

(22) Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 326 de 30 de julho de 1997. Aprova o Regulamento Técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União, nº 12 de 01 de agosto de 1997. Seção 01.

(23) Lucca A, Torres EAFS. Condições de higiene de “cachorro- quente” comercializado em vias públicas. Rev. Saúde Públ. 2002; 3: 350-352. DOI: 10.1590/S0034-89102002000300015.




DOI: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v30.e2.a2018.pp110-114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Caroline Rodrigues de Almeida, Miyoko Massago, Sara Macente Boni

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Conselho Federal de Farmácia - CFF

SHIS QI 15 Lote "L" - Lago Sul - Brasília - DF

CEP: 71635-615 - Fone: (61)3878-8751

e-mail:infarma@cff.org.br

Infarma-Ciências Farmacêuticas

ISSN - 0104-0219 (Versão impressa)

ISSN - 2318-9312 (Versão eletrônica)

Indexadores: