MANEJO DO LIXO EM HOSPITAIS PÚBLICOS E PARTICULARES DE FORTALEZA-CE

Alessandro Simões de Moura, Geysa Aguiar

Resumo


De acordo com Jardim (1995), o lixo constitui o resto das atividades humanas, consideradas pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis. Apresentam-se sob estado sólido, semi-sólido ou líquido e são amplamente classificados de acordo com sua natureza, composição química ou pelos riscos potenciais ao homem e ao meio ambiente. Cerca de 120 mil toneladas de lixo são produzidas diariamente no Brasil em conseqüência das atividades dos seres humanos. Desse total, 1 a 3% é produzido nos estabelecimentos de saúde; deles 10 a 25% representam risco de contaminação (ANVISA,2003). O lixo hospitalar, constituído de resíduos biológicos, químicos, radioativos, medicamentosos e perfurocortantes, necessitade cuidados especiais, pois é classificado como lixo perigoso sendo fonte potencial de contaminação e disseminação de doenças. Devido a este fato, órgãos de saúde pública e ambiental criaram legislações que estabelecem a fiscalização, procedimentos e requisitos a serem cumpridos por parte das instituições geradoras destes resíduos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Infarma - Ciências Farmacêuticas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Conselho Federal de Farmácia - CFF

SHIS QI 15 Lote "L" - Lago Sul - Brasília - DF

CEP: 71635-615 - Fone: (61)3878-8751

e-mail:infarma@cff.org.br

Infarma-Ciências Farmacêuticas

ISSN - 2318-9312 (Versão eletrônica)

ISSN - 0104-0219 (Versão impressa)

 

Indexadores: