Perfil da automedicação em idosos no Município de Barretos/ São Paulo/ Brasil

Fabricia Helena SANTELLO, Eliana REDIGOLO, Wilma Maria da Matta TONIELLO, Sally Cristina Moutinho MONTEIRO

Resumo


Automedicação é o consumo de medicamentos não prescritos, onde o paciente decide qual substância usar. Essa prática pode provocar danos à saúde ou mascarar sintomas de doenças mais graves. O medicamento se tornou um elemento importante na recuperação e garantia da qualidade de vida; no entanto, há riscos evitáveis associados a seu uso que podem ser minimizados pela racionalização do consumo desses produtos. Os idosos consomem mais medicamentos que outros grupos etários, sendo mais suscetíveis ao uso irracional desses. Esse estudo objetivou identificar os determinantes associados à prática da automedicação em idosos da cidade de Barretos/São Paulo/Brasil. O estudo foi conduzido na zona urbana da cidade de Barretos-SP, e os questionários aplicados em uma amostra populacional de 122 indivíduos entre 60 anos ou mais. Os dados foram processados e analisados através das porcentagens. Do total (122 pacientes),11,48% relataram utilizar apenas medicamentos prescritos e 88,52% consomem medicamentos sem prescrição. Os fármacos mais consumidos pelos idosos que praticam automedicação são os analgésicos e antipiréticos (76,23%). Dentre as justificativas apresentadas para a automedicação, cefaleia foi a mais frequente (66,69%), seguida por febre (61,48%). Esses achados sugerem falta de controle sobre a aquisição de medicamentos por idosos dessa região, favorecendo a ocorrência das consequências danosas da automedicação.

Palavras-chave


automedicação; idosos; farmacêutico; saúde; medicamentos

Referências


Shenkel EP. Cuidados com os medicamentos. 3ªed. Porto Alegre/Florianópolis: UFRGS/UFRS. 1998.

ANVISA. Encontro discute propaganda e uso racional de medicamentos. 2005 [22 fev. 2010]; Avaliable from:http://www.anvisa.gov.br/ divulga/noticias/ 2005/091205_1.htm.

Loyola Filho AI, Uchoa E, Guerra HL, Firmo JO, Lima-Costa MF. Prevalence and factors associated with self-medication: the Bambuí health survey. Rev. Saude Publica. 2002; 36(1):55-62.

Veras RP, Lourenço R, Martins CSF, Sanchez MA Chaves PH. Novos paradigmas do modelo assistencial no setor saúde: Conseqüência da explosão populacional dos idosos no Brasil. In: Terceira Idade: Gestão Contemporânea em Saúde (R. Veras, org.), Rio de Janeiro: Universidade Aberta da Terceira Idade, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Relume Dumará. 2002. p.11-79.

Veras R. Saúde publica e envelhecimento. Cad Saude Pública. 2003; 19:700-770.

Carvalho Filho ET. Fisiologia do envelhecimento. In: Papaléo NM, (org). Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu 1996. p.60-70.

Freitas EV, Miranda RD, Nery MR. Parâmetros clínicos do envelhecimento e avaliação geriátrica global. In: Freitas E, Py L, Néri AL, et al. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2002. p.609-617.

Plum D. Problemas Neurológicos Associados ao Envelhecimento. In: Cecil Tratado de Medicina Interna, 19ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 1993. p.2091-2092.

Andrade MA, Silva MVS, Freitas O. Assistência Farmacêutica como Estratégia para o Uso Racional de Medicamentos em Idosos. Semina Cienc. Biol. Saúde. 2004; 25: 55-63.

Sá MB, Barros JAC, Sá MPBO. Automedicação em idosos na cidade de Salgueiro-PE. Rev. Bras. Epidemiol. 2007; 10(1):75-85.

OPAS. Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica: proposta. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde. 2002.

Vilarino JF, Soares IC, Silveira CM, Rödel APP, Bortoli R, Lemos R. Perfil da automedicação em município do sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 1998; 32:43-49.

Servidoni AB, Coelho L, Navarro ML, Ávila FG, Mezzalira R. Perfil da automedicação nos pacientes otorrinolaringológicos. Rev Bras Otorrilaringol 2006; 72(1):83-88.

Carvalho DC, Trevisol FS, Menegali BT, Trevisol DJ. Drug utilization among children aged zero to six enrolled in day care centers of Tubarão, Santa Catarina, Brazil. Rev Paulista Pediatr. 2008; 26(3);238-244.

Shinkai RSA, Cury, AADB. O papel da odontologia na equipe interdisciplinar: contribuindo para a atenção integral ao idoso. Cad Saúde Pública. 2000; 16(4):1099-1109.

Kilmartin CM. Managing the medically compromised geriatric patient. J. Prosth Dent. 1994; 72:492-499.

Cascaes EA, Falchetti ML, Galato D. Perfil da automedicação em idosos participantes de grupos da terceira idade de uma cidade do sul do Brasil. Arq Catarin Medicina. 2008; 37(1):63-69.

WHO. Guidelines for the medical assessment of drugs for use in self-medication. Copenhagen: World Health Organization. 1986.

WHO. The role of the pharmacist in self-care and self-medication. Hague: World Health Organization. 1998.

Rozenfeld S. Prevalência, fatores associados e mal uso de medicamentos entre os idosos. Cad. Saúde Pública. 2003; 9:717-724.

Bortolon PC, Medeiros EFF, Naves JOS Karnikowski MGO, Nóbrega OT.Análise do perfil de automedicação em mulheres idosas brasileiras. Ciênc Saúde Coletiva. 2008; 13(4):1219-1226.

Oliveira MA, Francisco PMSB, Costa KS, Barros MBA. Automedicação em idosos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(2):335-345.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Conselho Federal de Farmácia - CFF

SHCGN-CR 712/713 Bloco "G" Loja 30 / Brasília - DF - Brasil - CEP: 70760-670

Fone: (61) 2106-6552 - Fax: (61) 3349-6553

Infarma-Ciências Farmacêuticas

ISSN - 0104-0219 e-ISSN - 2318-9312